P de Preço – Você está precificando bem?

Como definir o preço de um produto ou serviço?
Esse é um dos pontos mais importantes para o sucesso de um negócio, e depende de alguns fatores, que precisam ser levantados e analisados com cuidado, para que o resultado seja de acordo com as expectativas dos sócios, dos clientes e de todos os públicos envolvidos.
O preço não é necessariamente uma questão de dinheiro, mas uma percepção de valor, ou seja, os benefícios tangíveis e intangíveis que seu produto ou serviço proporciona.
O preço ideal para o negócio é aquele que cobre seus custos e ainda proporciona o lucro desejado.
Os fatores que influenciam a formação do preço são: posicionamento, objetivos da empresa, novos produtos e flexibilização.

zeviplast-blog-post-14

Posicionamento do produto ou empresa
O preço pode determinar o posicionamento da sua empresa. Muitas empresas trabalham preços menores para ganhar no volume de vendas, logo têm mais chances de ser consideradas populares. Por outro lado, há as que jogam o preço lá no alto e trabalham toda uma comunicação e o trato com o produto para que ofereça status e se encaixe em classes mais abastadas, logicamente.

Objetivos do negócio
Sua empresa pode querer alcançar determinado mercado de consumidores ou obter determinado faturamento em determinado período de tempo, fazer frente à concorrência, ou, ainda, não falir; enfim, os objetivos do negócio podem também influenciar na política de preços.

Novos produtos
Neste caso, há duas questões principais: a empresa está entrando num mercado forte e grande e precisa ter participação de mercado, então oferece o produto a um preço convidativo, próximo ou abaixo do que já existe; de outro lado, está o produto que não existe no mercado (inovação), então normalmente chega com um preço lá em cima e, de acordo com as demandas e o tempo, este vai baixando gradativamente.

Flexibilização
O preço é definido de acordo com o perfil de cada comprador. Normalmente essa flexibilização está associada a descontos e promoções. Por exemplo: quem compra antecipadamente paga mais barato; preços mais baixos para idosos e estudantes (por segmentos); dependendo da região e dos custos envolvidos, os preços podem variar, como no caso de passagem de ônibus; por sazonalidade, como exemplo as frutas da estação que são vendidas a preços menores; personalizados, como no caso de uma operadora de TV a cabo, que, à medida que adiciona canais, o preço aumenta; descontos para pagamentos à vista; por volume de compra.
Além de tudo isso, é preciso considerar os reais benefícios do seu produto ou serviço e se o preço pago por eles é realmente compensador para os seus clientes.
Em síntese, a política de preços deve considerar: o custo, a concorrência, o consumidor (ele está disposto a pagar?) e o elo de valor (atender necessidades e desejos, independente de preço monetário).
Analise os preços dos seus concorrentes, defina políticas de descontos e promoções para seus clientes e teste variações pequenas e grandes para definir que preço atende melhor os objetivos do seu negócio como um todo.

Boas vendas e negócios!

Postado por admin em 30/09/13 às 2:30 pm em marketing

Comentários: 0

7 passos para promover um evento de sucesso.

Organizar um evento é uma ótima maneira de promover sua marca e apresentar produtos e serviços. Também é uma forma de estreitar relações com fornecedores e clientes e ainda fazer um ótimo networking.
Mas, para que o evento seja um sucesso, é importante observar alguns detalhes que fazem toda a diferença. Por isso, separamos alguns passos e dicas para você:

zeviplast-blog-post-11

1- Determine seu objetivo: dentre as várias possibilidades que podemos alcançar com um evento, qual delas você quer atingir? Determine com clareza e, dessa forma, todos os outros passos ficarão mais claros e fáceis de executar.

2- Conheça o público-alvo: depois de definir o objetivo, será mais fácil conhecer e entender mais sobre o seu público-alvo, o que ele espera do evento e assim agir para satisfazê-lo.

3- Verifique a verba: o sucesso de um evento também está ligado a trabalhar dentro da verba disponível, procurando soluções alternativas se esta for curta. Lembre-se de fazer uma reserva para imprevistos.

4- Ofereça algo a mais: se no seu evento tiver palestras, por exemplo, convide outros palestrantes que possam enriquecer e diversificar o conteúdo fornecido.

5- Escolha com cuidado o local: verifique com cuidado todos os recursos necessários para a execução do seu evento e também as regras de uso do local para evitar surpresas durante o acontecimento.

6- Prepare brindes: a maioria das pessoas comparece aos eventos e espera por brindes ou amostras dos produtos. Outra opção é abrir espaço para outros patrocinadores, se seu evento permitir.

7- Divulgue: muito do sucesso do seu evento está ligado à divulgação. Planeje com cuidado quais canais serão usados para divulgar, o material e o tempo de antecedência para que as pessoas se programem e possam comparecer.

Postado por admin em 20/08/13 às 3:44 pm em marketing

Comentários: 0

P de Produto: como vai o seu?

O famoso composto de marketing é formado pelos 4 Ps: Produto, Preço, Praça e Promoção. Falaremos aqui do P de Produto. Será que o seu está bem?

Lembremos que por produtos entende-se muito mais que bens físicos, mas também serviços. Produto é um conjunto de benefícios (funcionais e emocionais) que satisfaz as necessidades e desejos do consumidor. Para se lançar e ter sucesso com um produto, algo básico é entender as necessidades do consumidor e até antevê-las, fazendo pesquisas, investindo em tecnologia, em mão de obra especializada, entre outros fatores. Será que você e sua empresa estão atentos ao seu Mix de Produtos?

zeviplast-blog-post-06

Este mix deve ser organizado de acordo com quatro dimensões:
• Abrangência: número de linhas que a empresa trabalha e públicos atingidos;
• Extensão: número de produtos em cada linha;
• Profundidade: número de variações dos produtos da linha;
• Consistência: relações entre as diversas linhas de produtos.

Diante dessas características, aqui vão algumas questões para você levantar e refletir:
• Será que o produto é eficiente, atende às necessidades a que se propõe?
• Qual é sua durabilidade?
• Qual é o nível de satisfação dos clientes?
• Há necessidades de mercado ainda não atendidas em meu nicho que meu produto ou uma variante dele podem atender? Quais?
• A variedade é tão grande quanto a de meus concorrentes?
• Quais os diferenciais mais evidentes (da cadeia de produção ao produto final)?
• Como é visualmente? É atrativo e diferenciado em termos de design e apresentação?

É preciso analisar todas as características funcionais e emocionais/visuais que o produto contempla, e isso inclui desde sua apresentação física (design) até sua diferenciação e benefícios, e a partir disso, como ele é percebido pelo mercado, o que se chama de Brand Equity ou Branding (percepção de marca).
Quanto ao branding, fatores como design, embalagem e rotulagem são muito importantes, pois também podem transferir valores para o produto.

Quanto a esses fatores, seu produto é competitivo?
Imagine a Coca-Cola sendo vendida em copos de vidro simples transparentes, sem nenhuma rotulagem, ao lado de uma infinidade de refrigerantes devidamente rotulados na gôndola de supermercado. É evidente que suas vendas seriam ínfimas. Claro, assim ela não seria competitiva em termos de marca.
Por isso, tão importante quanto a funcionalidade do produto é sua apresentação, pois muitas vezes as compras são feitas por impulso no ponto de venda. E isso envolve o formato da embalagem, as cores e fontes do rótulo, entre outras características visuais.
Esteja atento a todas as características funcionais e emocionais de seus produtos e invista neles como um todo.

Postado por admin em 04/06/13 às 3:03 pm em marketing

Comentários: 0

Single, um segmento em expansão.

Formados em sua grande maioria por solteiros, mas com sua parcela de divorciados e pessoas que por opção ou necessidade resolveram morar sozinhas, o chamado mercado single no Brasil só cresce. De acordo com os últimos dados do IBGE, já são 6 milhões de brasileiros que moram sozinhos, número que deve triplicar até 2016.
As pesquisas também mostram que o perfil desse público mudou. Grande parte pertence às classes A e B, com vida profissional e financeira estável.

zeviplast-blog-post-01

Mercado Single
As empresas estão diante de uma grande oportunidade de negócio. Com hábitos de vida e consumo particulares, este segmento começou a demandar serviços e produtos adequados às suas necessidades, como porções menores de produtos, moradias mais compactas e serviços personalizados. Também são adeptos a hábitos de vida saudáveis ao passo que querem produtos práticos. Ou seja, não só os produtos devem estar a seu gosto, eles também consomem lazer e principalmente tecnologia, itens que precisam também ser personalizados.
Eles olham primeiro a qualidade e depois o preço, o que faz com que sejam um nicho extremamente exigente e seletivo. Em contrapartida, a marca que conquistá-los terá um público fiel que tem como costume recomendar aquilo que aprecia aos amigos, principalmente pelas redes sociais e internet.
A criação de novas soluções para as questões diárias são outras oportunidades que empresas devem explorar nesse nicho. Gostam de experimentar e não gostam de perder tempo com atividades rotineiras.
Oportunidades com esse público não faltam para quem quiser aproveitar. O mais importante é entender bem o público para dar exatamente o que ele precisa; desse modo fica muito mais simples suprir suas necessidades e conquistá-los não só como consumidores, mas também como advogados de marca.

 

Postado por admin em 25/03/13 às 4:40 pm em marketing

Comentários: 0

Desenvolvido por Defoco | Zeviplast 2012/2013. Todos os direitos reservados.